Cul.pa

2012 -2017

Colectividade artistica multidisciplinar

O Caçador - Videoarte - 2014 -2015 - 2016


Veado . Raposa . Javali
Se na ausência de uma primordial e perpétua necessidade de matança, o caçador continua a existir é porque se prova que o universal toca o inconsciente e o desejo de fundamentar ou conhecer os espaços do mundo e a existência através da Morte. Pela arte trágica da caça poderá alguma vez o caçador recuperar a unidade perdida? Talvez sim. É pela arte trágica, que se manifesta a vida essencial do mundo, porque nela se revela o ser e a verdade, chave para a investigação da verdadeira natureza da realidade. A natureza da realidade está no fenómeno do trágico, enquanto atributo de um principio ontológico fundamental. É uma forma instintiva de conhecimento porque afinal, segundo Nietzsche, tal como acontece realmente na Vida, a visão trágica do mundo funde “a vida e a morte, a ascensão e a decadência de tudo o que é finito”. Admite-se porém que, raramente e de vez em quando aparecem “os grandes caçadores” que lidam com o horror do mundo e da existência e que, mesmo assim aceitam jovialmente esse devir da vida. Tratam-se daqueles que não inventam ou apreendem mentiras enquanto defesa contra a ameaça e o terror do devir, e fazem triunfar antes a Vida sobre a razão.

Veado
Duração: 07:50 minutos
Formato: 2K 

Raposa
Duração: 5:28 minutos
Formato: 2K 

Javali
Duração: 6:20 minutos
Formato: 2K 

Amão - Fotografia - 2017


Surgem de tempos a tempos mutações genéticas na humanidade, quer na dimensão dita natural quer na adaptação transformista à luz das realidades sociais/culturais. A tentativa de dominar, transformar e prolongar a existência do corpo é tema recorrente ao longo da história mas com o avanço tecnológico contemporâneo, as barreiras parecem agora mais diminuídas. O corpo humano parece impor as suas próprias limitações, subjugadas a diferentes necessidades estéticas e hedonistas associadas à reificação do consumo e lógicas da industria cultural de mercado.
A omnipresença do corpo humano é transformado em toda a esfera social, na publicidade ou nas questões mais analépticas em todas as formas culturais - nas tradicionais vertentes erudita e popular - mas particularmente visível na cultura de massa, pela obsessão pela eterno rejuvenescimento da idade, pelos ideais de beleza, pela criação de estereótipos de homem ou mulher e outras novas classificações de género, em que o corpo humano se desapegou da matéria ideológica e moral e é hoje um produto de uma identidade cultural renovada.
O narcisismo despoleta impulsos básicos do ser humano: sujeita a transformação do corpo do indivíduo em relação ao centro e das dinâmicas grupais e não em relação exclusiva às necessidades fisiológicas naturais puristas da adaptação natural ao meio ambiente. Está em causa a recriação fotográfica das várias hipóteses de um novo mundo, de uma nova identidade corpórea. A reconfiguração do corpo humano adaptado pela (con)fusão tecnológica e extensões bioquímicas: uma natureza híbrida de um organismo profético. 
Amão é um percurso de exploração e de interrogação sobre as possibilidades da nova identidade do corpo humano, um olhar sobre a fronteira entre o primitivo e o futuro da metamorfose do corpo humano.

Óleo sobre impressão UV em papel Fabriano 325gr
Dimensões: 50x70cm

Passado Presente - Documental - 2015

Duração: 23:46 minutos
Formato: 16.9.HD

Sinopse
Quando é que uma pintura está finalizada?
A pintura associa-se a um tempo e a um espaço.
Nesse processo de interpretação e construção de sentido, o presente evoca o passado.

 

The fly on the Warhol's soup - Videoarte - 2014


Este vídeo faz parte de um processo de trabalho sobre o iconoclasmo na arte contemporânea. 
Consideramos que na arte o acto de destruição pode ser uma das maneiras de alcançar a beleza. Para tal escolhemos uma das obras mais emblemáticas da arte pop, Campbell's Soup do Andy Warhol. 
O video foi filmado num cenário tridimensional, com utilização de vários materiais, tais como plasticina, madeira, gesso e tinta de óleo.
A filmagem da destruição da obra recriada acontece em tempo real e em continuidade. O título da obra revela-se nos detalhes.

Duração: 04:40 minutos
Formato: HD 

Dourada morta e Sardinha - Videoarte - 2013


Este vídeo faz parte de um processo de trabalho sobre o iconoclasmo na arte contemporânea considerando o género de pintura natureza morta. Nesta obra escolhemos como referência uma refeição típica da gastronomia portuguesa. Assim como numa refeição, os alimentos tem de ser digeridos, no acto de destruição transformamos a obra e relançamos um olhar diferente sobre a arte.
A filmagem da destruição da obra recriada acontece em tempo real e em continuidade. 

Duração: 04:34 minutos
Formato: HD

Duração: 05:36 minutos
Formato: HD 

A Vela e o Lápis - Videoarte - 2012


A “Vela” e o “Lápis” são obras que fazem parte de um processo de trabalho sobre os conceitos de imaterialidade e abstração. 
Para tal foi apresentado em primeiro plano um castiçal com uma vela, em que a destruição da peça acompanha o olhar para os acontecimentos da microrealidade.